Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Vernissage’

Sobre o pintor, desenhista, gravador e arquiteto Carlos Mancuso, pode-se dizer que sua relação com a técnica da aquarela é quase uma simbiose: “senti na aquarela a alegria da espontaneidade, a leveza da linguagem, a rapidez da execução, a ela se liga muito meu temperamento, com essa possibilidade de transparência e luminosidade”. Mancuso nasceu em Porto Alegre em 1930 e na mesma cidade faleceu em 2010. Foi aluno de João Faria Viana e como artista recebeu várias premiações ao longo da carreira.

 Carlos Mancuso, sem título, aquarela, sem data, 30 x 40 cm, coleção Heitor Bergamini, foto Clóvis Dariano.

Carlos Mancuso, sem título, aquarela, sem data, 30 x 40 cm, coleção Heitor Bergamini, foto Clóvis Dariano.

No ofício de arquiteto, Carlos Mancuso chefiou a equipe de restauração do Theatro São Pedro e atuou nas restaurações do Solar dos Câmara e do Solar Lopo Gonçalves. Era profundo conhecedor do Barroco chegando a escrever um livro sobre o tema em 1972. Mesmo no exercício profissional de sua atividade de arquiteto utilizava a aquarela para executar esboços e projetos. Mostrou também um grande talento para o magistério, sendo professor por muitos anos das disciplinas de estética e de história da arte no Instituto de Artes e na Faculdade de Arquitetura da UFRGS.

Carlos Mancuso, sem título, aquarela, sem data, 34 x 44,5 cm, coleção Heitor Bergamini, foto Clóvis Dariano.

A exposição que abrirá na Pinacoteca Aldo Locatelli no dia 20 de dezembro, sob curadoria da professora Blanca Brites, contará com 33 aquarelas de Carlos Mancuso, distribuídas em duas temáticas: paisagens e natureza mortas. Todas as obras são oriundas dos acervos do colecionador Heitor Bergamini, da família Mancuso, de Alfredo Nicolaiewsky e da Pinacoteca Barão de Santo Ângelo da UFRGS. A realização da mostra é da Coordenação de Artes Plásticas da Secretaria da Cultura de Porto Alegre e, assim como as exposições “A Escrita Se Fez Imagem – Simões Lopes Neto Ilustrado por Nelson Boeira Fraedrich”, “A Voz das Cores – Aquarelas de José Lutzenberger” e “Um Vôo Livre – aquarelas de Norberto Stori”, foi pensada com o intuito de destacar artistas que obtiveram êxito em suas pinturas sobre o papel.

 Carlos Mancuso, sem título, aquarela, sem data, 35 x 49,5 cm, coleção Ricardo Mancuso, foto Clóvis Dariano.

Carlos Mancuso, sem título, aquarela, sem data, 35 x 49,5 cm, coleção Ricardo Mancuso, foto Clóvis Dariano.

 

SENSÍVEL LEVEZA – Carlos Mancuso

Pinacoteca Aldo Locatelli – Paço dos Açorianos

Praça Montevidéu, 10 – Centro Histórico – Porto Alegre

abertura: 20 de dezembro, terça-feira, 19h

visitação: até 27 de janeiro de 2017

segunda a sexta, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h

acervo@smc.prefpoa.com.br / [55] (51) 3289 3735

Anúncios

Read Full Post »

No sábado, 09 de abril, abrindo a programação expositiva da Sala dos Pomares | 2016, a Fundação Vera Chaves Barcellos inaugura Humanas Interlocuções.

Humanas Interlocuções apresenta uma contundente amostra estética da presença da figura humana na arte contemporânea pelo prisma de 54 artistas; entre brasileiros, latino-americanos, europeus, norte-americanos e orientais.

Fotografias, vídeos, impressões, litografias, colagens, objetos, serigrafias e xilogravuras integram o variado conjunto de obras, muitas delas exibidas na FVCB pela primeira vez. A curadoria é de Thaís Franco, responsável pelo acervo artístico da Fundação.

Abrangendo cerca de 50 anos de produção artística (de 1960 a 2016), a seleção de trabalhos tem como núcleo articulador o potente emprego do corpo pelos artistas: seja como suporte, seja como tema de investigação criativa; ou, ainda, como vetor de problematização da subjetividade em relação a diferentes esferas – simbólicas, políticas, sociais e culturais.

A mostra é constituída por segmentos temáticos postos em diálogo transversal, contemplando desde a construção do indivíduo; passando pelo corpo em sua potência comunicativa; o culto ao corpo em uma articulação entre as suas partes e particularidades; e, por fim, a massificação e dissolução da identidade.

Participam da mostra os artistas:
Afonso Roperto, Albano Afonso, Alex Vallauri (ORG), Angela Jansen, Anna Bella Geiger, Bárbara Wagner, Begoña Egurbide, Berna Reale, Breno Rotatori, Carla Borba, Carlos Asp, Carlos Wladimirsky, Carolina Gleich, Christian Cravo, Cia de Foto, Claudio Edinger, Claudio Goulart, Dario Villalba, Denis Masi, Edgardo Antonio Vigo, Eduardo Cruz, Efrain Almeida, Elcio Rossini, Fernando De Filippi, Flávio Damm, Flávio Pons, Haroldo Gonzalez, Hirosuke Kitamura, Hudinilson Jr., Ío, Iole de Freitas, Jason Evans, Jaume Plensa, João Castilho, Jürgen O. Olbrich, Leon Ferrari, Mara Alvares, Milton Kurtz, Patricio Farías, Paulo Bruscky, Paulo Nazareth, Rafael França, Ramon Rubio, Regina Silveira, Rintaro Iwata, Rogério Nazari, Romanita Disconzi, Sofia Martinou, Sol Casal, Susana Solano, Tony Camargo, Vera Chaves Barcellos, Vinicio Horta e Wilson Cavalcanti.

“Humanas Interlocuções” segue em cartaz até dia 16 de julho e terá uma intensa programação paralela.

EXPOSIÇÃO HUMANAS INTERLOCUÇÕES
ABERTURA: dia 09 de abril de 2016, das 11h às 17h

TRANSPORTE GRATUITO para o dia da abertura Porto Alegre – Viamão – Porto Alegre, com saídas às 11 horas e às 14 horas, em frente ao Theatro São Pedro (Praça da Matriz – Centro – Porto Alegre).
Inscrição pelo e-mail: info@fvcb.com| (51) 8102 1059

Visitação de 09 de abril a 16 de julho de 2016

Visitas sob agendamento prévio pelo telefone (51) 8229 3031 ou por e-mail: educativo@fvcb.com. De segunda à sexta-feira, das 14h às 17h30 e terças e sextas, das 9h às 12h.

Endereço: RS 040 | Av. Senador Salgado Filho, 8450 (pórtico de entrada ao lado do condomínio Buena Vista, altura da parada 54), VIAMÃO|RS.

Fonte: FVCB

Read Full Post »

NA SALA NEGRA: 

ORGANIKA  CRISTINA DALLIGNA

ABERTURA 11/11/2015, às 19:30   VISITAÇÃO 12/10 a 11/12/2015, das14 às 20h.

Acompanho o trabalho da Cristina há muito tempo, percebendo um desenvolvimento e solidez em sua pintura com um vocabulário plástico contemporâneo e uma linguagem abstrata própria. Consegue mesclar elementos figurativos fazendo-se valer de um universo de formas e cores que imprimem sua identidade.  Texto de Fernando Baril

NA SALA ANEXA: 

ARTE EM CERÂMICA  

CLÁUDIO ELY (ORG), CHICO EMIR, CORINA MELLO, DENISE PICKLER, FÁBIO VASCONCELOS, GEOVANE SCHNEIDER, JVELLOSO, LIZ HELENA, LONI RIGOTTI, LU BRUM, LUCIANA VEIGA, MICHELLE BLOEDOW, MIRIELI COSTA, SANDRA RIBEIRO, SUZANA C. NEUBARTH TRINDADE E VIVIAN SIQUEIRA

ABERTURA 11/11/2015, às 19:30   VISITAÇÃO 12/10 a 11/12/2015, das14 às 20h.

A exposição tem como participantes alunos do Atelier Livre Xico Stogkinger da Prefeitura Municipal de Porto Alegre sob orientação do professor Claudio Ely. Este resultado mostra bem a diversidade de expressão cerâmica  na  qual reflete a missão e objetivos do Atelier Livre, que como instituição pública, recebe cidadãos com interesse no fazer artístico, atendendo as mais diversas expectativas. O conjunto de trabalhos apresentados podem ser divididos em fazeres distintos: os pratos são resultados de projeto para o aprendizado da técnica do “baixo -vidrado” do curso intermediário. Nos demais, mostram bem o desenvolvimento de uma linguagem pessoal, espelhando esta pluralidade de artistas alunos que o Atelier Livre recebe nos seus mais de 55 anos de existência.

NA SALA DO ARCO: 

ATUAL E PRESENTE: HOMENAGEM A VASCO PRADO  MARIO CLADERA (ORG), LECY FISHER, MARTA MAIOCCHI, PAULA DE CONTO, SONIA SEIBEL, SUSIE PRUNES, HELIO DE SOUZA.

ABERTURA 11/11/2015, às 19:30   VISITAÇÃO 12/10 a 11/12/2015, das14 às 20h.

Um ano após o centenário de nascimento do escultor gaúcho Vasco Prado, o grupo de artistas que da Oficina Livre de Escultura da Associação dos Escultores do Estado do Rio Grande do Sul, AEERGS, ministrada pelo artista Mario Cladera, apresenta um conjunto de trabalhos que expressam olhares e relfexões sobre a obra deste grande artista. Vasco Prado surge nos anos 40 como o artista modernista do sul, que marcou com sua produção múltipla e radical o cenário local e nacional. Sua obra transcendeu fronteiras e ganhou reconhecimento internacional e o artista foi considerado ícone do modernismo das artes plásticas brasileiras. Contudo, hoje, na sua terra, parece ser ignorado, como se a importância de seu legado fosse sendo apagada pouco a pouco do estudo e da História da Arte local. Entendemos que sua obra deve ser colocada na sua merecida dimensão. Para essa exposição Lecy Fisher, Marta Maiocchi, Paula De Conto, Sônia Seibel, Susie Prunes, Helio de Souza F. e Mario Cladera apresentam um conjunto de trabalhos em diversos materiais; pedra, bronze, terracota, ferros e resinas, compondo um mosaico sobre o universo e temas da obra de do mestre Vasco Prado, tendo a figura humana e o cavalo como imagens provocadoras de abordagens que discorrem sobre o homem, a terra e  suas lendas: um reconhecimento a transcendencia da obra deste artista que ecoa perene na paisagem plástica e visual do sul. Durante o período da exposição será promovido  um encontro a ser divulgado, reunindo pessoas que conviveram com o artista com o objetivo de ampliar o debate e reflexão sobre a importância da obra do escultor Vasco Prado.  Texto de Mario Cladera

NA CIRCULAÇÃO: 

A CIDADE QUE SE QUER  JACQUELINE CUSTÓDIO
ABERTURA 11/11/2015, às 19:30   VISITAÇÃO 12/10 a 11/12/2015, das14 às 20h.

A questão urbana vem tornando-se cada vez mais complexa: a maior parte da população do planeta já vive nas cidades; as mudanças climáticas são uma realidade que assusta a todos. Fica cada vez mais evidente que temos que repensar nossas cidades e a relação que temos com elas. E inspiradas naquilo que crianças querem para Porto Alegre, foram feitas essas imagens. A partir da proposição da professora da 5ª série de duas escolas – uma pública e outra particular -, os alunos foram desafiados a escrever um parágrafo, colocando nele seus sonhos e desejos de uma cidade ideal. Tarefa difícil colocar, em imagens, a imaginação e a realidade de crianças entre 10 e 11 anos, que observam o lugar onde vivem e têm, para com ele, expectativas distintas. Contudo, os muitos desejos em comum desenharam uma cidade limpa, segura, alegre. As mudanças já começam a dar sinal: os espaços públicos são ocupados e ressignificados, a população procura seu espaço nas decisões que vão alterar a configuração urbana, novas soluções são experimentadas. Mas é essencialmente das crianças a Porto Alegre do futuro.

NAS ÁREAS EXTERNAS: 

GEOMETRIA ORGÂNICA  MARCOS VAANDRADE

ABERTURA 11/11/2015, às 19:30   VISITAÇÃO 12/10 a 11/12/2015, das14 às 20h.

Marcos VAANDRADE é ilustrador e escultor, natural de Porto Alegre RS e para comemorar seus vinte anos de trabalho em diversas áreas das artes visuais, criou uma coleção de obras intitulada Geometria Orgânica, onde combina suas habilidades de escultor e designer para compor suas peças. Para a exposição na Galeria Espaço IAB RS o artista selecionou algumas das primeiras peças criadas para esta coleção.

Read Full Post »

unnamed

Read Full Post »

A Fototeca Municipal Ricardo Giovannini, da cidade de Rio Grande, convida para a exposição “Eu te dedico…”

 

11034249_734625766658008_1018374239294627200_n

 

Fonte: Sistema Estadual de Museus RS

Read Full Post »

Convite Marcelo Chardosim - convite virtual

Read Full Post »

O Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento do Rio Grande do Sul, convida para a abertura de 4 exposições selecionadas em edital, que integram o segundo ciclo de artes visuais da galeria Espaço IAB em 2014. O coquetel será realizado dia 18 de junho, a partir das 19:30, permanecendo com visitação até o dia 19 de julho de 2014, das 14 às 20h. Para saber mais sobre as exposições e o histórico da galeria acesse galeriaespacoiab.blogspot.com .

evento no facebook: https://www.facebook.com/events/702895083111766/?ref_notif_type=like&source=1

 

NA SALA NEGRA: 

INDOOR – 2 St. Arte Urbana  LEO(NARDO) PEREIRA e PAULO FUNARI 

ABERTURA 18/06/2014, às 19:30  VISITAÇÃO 19/06 a 19/07/2014, 14 às 20h.

O grupo 2 St. Arte Urbana, formado pelos artistas plásticos porto-alegrenses Paulo Funari e Léo(nardo) Pereira, com o objetivo de criar e executar obras de arte voltadas para o ambiente urbano e sua relação com as pessoas. Utiliza diversas linguagens das artes visuais, desde pintura até a instalação, usando as intervenções e as cores para provocar no público questionamentos contemporâneos. Na exposição intitulada Indoor, os artistas apresentam obras das suas produções individuais mais recentes. O local a ser explorado dessa vez é a Sala Negra da galeria Espaço IAB, em Porto Alegre/RS, onde a dupla busca dialogar entre si e o espaço com a mesma veemência dos trabalhos produzidos em conjunto até agora ao ar livre. Os trabalhos dos dois artistas são complementares. Paulo Funari retrata o comportamento das pessoas frente ao excesso de consumo de bens, em sua maioria supérflua, o assim chamado “consumismo”. Não se tratando das raízes do comportamento de consumo propriamente dito, e sim da sua exacerbação, bem como das mudanças no comportamento individual, os adoecimentos e sintomas observáveis, as consequências de todo um processo de negligência de Instituições e da sociedade como um todo. Léo(nardo) Pereira expressa em seus trabalhos temas voltados para a valorização do indivíduo e sua relação com o coletivo, o poder da mídia, consumismo e espiritualidade. Reafirmando a postura de reutilizar materiais e suportes alternativos, características marcantes da sua trajetória.

 

NA SALA ANEXA: 

CORPOS, LETRAS E CIRCUITOS  ADRESON VITA DE SÁ 

ABERTURA 18/06/2014, às 19:30  VISITAÇÃO 19/06 a 19/07/2014, 14 às 20h.

As imagens aqui não se propõem a criar novos enredos ou perspectivas, mas trazer a lembrança de que, “é preciso reinventar os modos de habitar o mundo” e que estas reflexões (sobre o mundo e como nos relacionamos com ele) são sempre necessárias. Propõem que devemos usar o mundo para criar novas narrativas, não resignar-se apenas a uma contemplação passiva. São como elementos sintáticos de uma linguagem em formação, buscando ser autônoma apesar de ser constituída de inúmeras “citações” ou apropriações de elementos visuais pré-existentes em sua totalidade. Quase todas as imagens foram obtidas em processo químico semelhante ao cliché-verré, resultado da experimentação da prática simples que é o fotograma. Cada imagem produzida até aqui tem seu aspecto único, a composição se altera a cada fotograma revelado, e mantém um mesmo repertório, um conjunto de imagens elementares que se repetem e interagem entre si em novas combinações, aparentemente aleatórias. Temos aqui o esfacelamento das noções de originalidade e mesmo de criação. Há uma miríade de elementos nos fotogramas aqui apresentados: tipografia, circuitos eletrônicos, jogos, esqueletos, corpos, absurdo, non-sense, fragmentos de outras fotografias, mapas, etc. Já as características formais das composições são parte do objetivo de elaborar imagens diversas, únicas entre si, mesmo contendo o mesmo conjunto de elementos pictóricos. Os trabalhos constituem-se de objetos culturais selecionados sem critérios aparentes e re-inseridos em contextos completamente distintos. A imagem que se vê é determinada pela distância do observador em relação à obra. Nuances e detalhes vão se revelando à medida que o olhar percorre e explora os fotogramas.

 

NA SALA DO ARCO: 

GRAVURAS  LEANDRO MICHELS
ABERTURA 18/06/2014, às 19:30  VISITAÇÃO 19/06 a 19/07/2014, 14 às 20h.

O artista visual porto-alegrense Leandro Michels apresenta nesta exposição individual diversos trabalhos produzidos nos últimos cinco anos de contínua atividade. A série é composta de gravuras em metal, xilogravuras e litografias que o artista produziu em seu ateliê, no Museu do Trabalho e no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, onde atualmente cursa Artes Visuais. As obras foram concebidas a partir do olhar do artista sobre diferentes cenas, inspiradas na boemia e no ambiente urbano da cidade de em que nasceu.

 

NA CIRCULAÇÃO E ÁREAS EXTERNAS: 

HUMANOS DE FATO  LUCAS STREY 

ABERTURA 18/06/2014, às 19:30  VISITAÇÃO 19/06 a 19/07/2014, 14 às 20h.

Humanos de fato é uma exposição que utiliza o conceito de instalação aplicado a dois espaços específicos e intervenções urbanas criadas no caminho entre os dois locais. A exposição funcionará de forma dinâmica, com abertura na galeria Espaço IAB, onde serão apresentadas quatro obras que deverão ser instaladas nas áreas externas e espaços de circulação. O outro local de exposição será a Usina do Gasômetro, onde haverá uma obra compondo parte de uma exposição coletiva. Após a abertura no IAB, serão produzidas mais quatro obras, e instaladas semanalmente pelo Centro Histórico de Porto Alegre no trajeto entre o IAB e a Usina do Gasômetro. As obras configuram pequenas narrativas envolvendo a presença da figura humana com um tratamento de superfície feito com retalhos de páginas de jornal. As ações de cada obra são cuidadosamente criadas para cada espaço específico onde serão apresentadas, bem como as intervenções urbanas que marcam e interferem no entorno dos locais que são instaladas. O tratamento de superfície com os retalhos de jornal recebe o mesmo cuidado para que as partes que compõem a obra fortaleçam seu sentido e força de comunicação.

ONDE?

Galeria Espaço IAB
Galeria de Arte do Instituto de Arquitetos do Brasil
Curadoria de Adriana Xaplin e Vinicius Vieira
Centro Cultural do IAB RS. Rua Gal. Canabarro, 363
Centro Histórico. Porto Alegre, RS. Brasil

 

Read Full Post »

Older Posts »